I Semana do Bebé em Cabo Verde coloca enfoque nas questões ligadas à primeira infância

Cabo Verde acolhe pela primeira vez, de 25 a 30 de Setembro, a Semana do Bebé, um projeto que une em rede várias organizações com o objetivo de colocar as questões da primeira infância no centro da atenção da comunidade e do poder público.

Eliseu Tavares, um dos promotores do evento, cuja cerimónia de abertura se realizou hoje na Presidência da República, na Cidade da Praia, disse à Inforpress que a Semana do Bebé já é promovida em mais de 24 municípios do Brasil e que a iniciativa chegou a Cabo Verde através da empresa Cimpor, que é membro de uma Multinacional – IterCemente, no Brasil, que já desenvolve este projeto desde 2013.

A convite desta organização, a Cimpor criou uma rede de parceiros para dar corpo a este projeto em Cabo Verde, que engloba a primeira infância (0-6 anos) e a primeiríssima infância (0-3 anos), envolvendo parcerias do Ministério da Saúde, Ministério da Família e Inclusão Social, o Instituto Cabo-verdiano da Criança e do Adolescente (ICCA), a primeira-dama, várias associações da área como Acrides, Acarinhar, Aldeias Infantis SOS, OMS e UNICEF.

Segundo a organização, os seis primeiros anos de vida são fundamentais para o desenvolvimento integral das crianças, pelo que através deste evento estas instituições estarão a contribuir para a garantia do direito de cada criança a sobreviver e se desenvolver, aprender, brincar, conviver com sua família e comunidade, crescer sem violência e ser protegida de tudo.

Nesse quadro, durante a semana várias questões vão ser discutidas, relativamente aos cuidados que se deve ter desde período da gestação das mães, para que quando o bebe nascer possa encontrar e viver num ambiente saudável, desenvolver com saúde e com amor.

Conforme apurou a Inforpress, doravante a organização pretende que este evento seja abraçado por todas as instituições do país, estando a mesma a trabalhar no sentido de a Semana venha a ser institucionalizada.

Eliseu Tavares, explicou, por outro lado, que durante a I Semana do Bebé vão colocar o foco nas questões ligadas à criança, mas que posteriormente a rede vai continuar a trabalhar para que no próximo ano, por altura da realização da efeméride possam ter já “alguns ganhos palpáveis” a assinalar.

Contudo, anunciou que de momento um dos primeiros propósitos a alcançar prende-se com o aleitamento materno exclusivo, que pretendem seja alargado para seis meses de vida do bebé, “sendo necessário, para efeito, que a mãe tenha disponibilidade”, frisou.

Nesse sentido, Tavares indicou que a rede subescreve a petição que vai ser encaminhada às autoridades no sentido de se elevar o período de licença de maternidade de dois para quatro meses para a mãe do bebé, e de um para 15 dias, para o pai.

Pronunciando a respeito da Semana do Bebé, a diretora nacional da Saúde, Maria da Luz, considerou que esta iniciativa vem ao encontro a política do Ministério da Saúde que preconiza incentivar cada vez mais e numa idade precoce, a doação de hábitos e estilos de vida saudáveis.

Por sua vez, a representante das Nações Unidas no arquipélago, Ulrikia Richardson acredita que ao se investir desde cedo nas crianças “estar-se-á a contribuir para diminuir as desigualdades”, a reforçar a igualdade e oportunidade, e a melhorar a qualidade de vida da pequena infância.

O programa da celebração desta efeméride contempla ainda a realização de uma exposição de fotografias, feira lúdica, apresentação de diagnóstico social da proposta de normativo para a criação de creches e palestras que serão levadas a cabo durante a semana.

Comentários