A amamentação tem muitos benefícios para o bebé, mas este não é um deles

Um estudo recente não encontrou um suporte estatístico consistente entre a amamentação e a sua influência ao nível cognitivo, nomeadamente no que diz respeto à inteligência das crianças.
créditos: pixabay

A amamentação tem sido uma bandeira de organizações mundiais, alertando as mães para os seus benefícios. A Academia Americana de Pediatria recomenda, sempre que possível, a amamentação exclusiva nos primeiros seis meses de vida.

Amamentar o bebé reforça o sistema imunitário e pode prevenir as alergias. No caso das mães, diminui o risco de desenvolver, mais tarde, cancro da mama.

Mas a ciência ainda tem dúvidas se a amamentação tem uma influência direta ao nível cognitivo, nomeadamente inteligência e comportamento.

Um estudo recente, publicado na revista Pediatrics, demonstrou que a amamentação não teve um impacto cognitivo e estatisticamente relevante nas crianças que foram amamentadas, pelo menos, durante seis meses. Os investigadores verificaram que apesar de aos três anos de idade as crianças serem menos hiperativas, esse efeito desparece quanto atingem os 5 anos.

De acordo com uma das autoras do estudo, não foi possível encontrar uma relação causal direta entre o aleitamento materno e os resultados cognitivos nas crianças.

O estudo teve como base a análise a 7.500 crianças irlandesas. Para avaliar o comportamento das crianças foram pedidas informações tanto aos pais como aos professores. O objetivo era perceber se estas crianças aos três anos e depois aos 5, apresentavam problemas comportamentais, de vocabulário e quais as suas competências cognitivas.

Nesta análise, também foram considerados outros fatores além da amamentação: como o nível de educação das mães e a ausência de comportamentos de risco durante a gravidez . E quando estes foram adicionados, foi mais difícil diferenciar o benefício do leite materno destas outras características e que também podem influenciar mais tarde o QI das crianças. Daí ser difícil demonstrar um impacto cognitivo vindo exclusivamente da amamentação.

Nas conclusões do estudo pode ler-se "Não foi encontrado um suporte estatisticamente significativo aos 5 anos de idade, sugerindo que o benefício observado anteriormente a partir da amamentação não foi mantido quando a criança entrou na escola".

artigo do parceiro: Susana Krauss

Comentários