Há cada vez mais "zonas mortas" no mar: Aquecimento global está a sufocar oceanos

As áreas dos oceanos com água sem oxigénio aumentaram quatro vezes nos últimos 50 anos, ameaçando espécies de peixes e corais, revela um estudo divulgado hoje, que aponta como causas as alterações climáticas e a poluição.

"Nos últimos 50 anos, a quantidade de água no oceano com zero oxigénio aumentou mais de quatro vezes", refere o estudo elaborado por um grupo internacional de cientistas criado em 2016 pela comissão intergovernamental para os oceanos das Nações Unidas, o GO2NE, e hoje publicado na revista Science.

Os investigadores realçam que em zonas costeiras, como estuários, os locais com níveis baixos de oxigénio aumentaram mais de 10 vezes desde 1950 e alertam que a quantidade de oxigénio na água deverá continuar a descer mesmo em áreas ainda não afetadas, à medida que o planeta aquece.

"Cerca de metade do oxigénio da terra vem do oceano", refere o secretário executivo da comissão da ONU que formou o grupo GO2NE, Vladimir Ryabinin.

VEJA AINDANão cuida do seu planeta? Estas são as 15 consequências

SAIBA MAIS10 coisas perigosas que põe no lixo (e não devia)

Zonas mortas

Os efeitos combinados da poluição e das alterações climáticas "estão a aumentar o número e dimensão das 'zonas mortas' nos oceanos e nas zonas costeiras, onde o oxigénio está demasiado baixo para sustentar a vida marinha", realça o especialista.

Para parar a queda de oxigénio no mar, "o mundo necessita de controlar tanto as alterações climáticas como a poluição" resultante de nutrientes vindos de terra, defendem os cientistas.

A coordenadora do estudo, a especialista em ecologia marinha do Smithsonian Environmental Research Center (centro de investigação ambiental Smithsonian, nos Estados Unidos) Denise Breitburg, aponta que "a queda de oxigénio no oceano está entre os mais graves efeitos da atividade humana no ambiente".

Comentários