Jardins de ervas com poderes curativos

Combatem infeções, ajudam a digestão, tratam doenças e aliviam dores. Estas são apenas algumas das propriedades das plantas aromáticas e medicinais.

Um jardim de ervas não é apenas um espaço repleto de cores e aromas deliciosos. É também uma zona de plantas frescas para usos medicinais, cosméticos e culinários, à sua disposição durante praticamente todo o ano. A característica que as diferencia é a fragrância que, ao contrário das outras plantas, se concentra nas folhas e não nas flores. As folhas libertam óleos essenciais ao serem trituradas ou aquecidas.

Além das herbáceas vivazes, as espécies que formam parte do grupo das aromáticas e medicinais incluem anuais, arbustos e até árvores, pelo que a variedade é enorme, assim como os tamanhos, desde as rasteiras ao loureiro. Apesar das suas qualidades reconhecidas desde há séculos e dos seus benefícios, estas devem ser usadas com moderação e sempre respeitando os métodos e doses indicadas.

Uma das grandes vantagens é que pode ter estas plantas em casa durante praticamente todo o ano. Siga os nossos conselhos e mantenha uma série de plantas úteis para a sua saúde. Estes são alguns dos cuidados que deve ter para garantir um desenvolvimento sustentado:

- Cultivo

A maioria destas plantas prefere locais com sol e solo bem drenado, embora algumas tolerem localizações húmidas e sombra parcial, como é o caso da erva-cidreira ou da salsa. Mas, principalmente, é importante que cresçam bem protegidas do vento, já que este faz baixar muito a temperatura em locais frios. Recomenda-se colocar estas plantas debaixo de uma sebe resistente de folha perene.

- Conservar a colheita

Secar este tipo de plantas é um bom método de conservação, que desativa os fermentos vegetais e elimina os vírus, bactérias e fungos. Coloque as plantas cortadas sobre uma rede de forma a arejar por cima e por baixo. Também pode atar as plantas em raminhos e pendurar em local seco e à sombra, expostas a corrente de ar. Se, após a secagem, triturar e voltar a secar, reforça a conservação.

Por último, introduza as plantas num recipiente de vidro escuro ou uma lata branca com fecho hermético, de forma a que fiquem ao abrigo da luz e da humidade, mantendo assim a sua qualidade. Não se esqueça de etiquetar as caixas com o nome da espécie e a data da colheita.

- Preparação do solo

Prepare o solo no outono. Elimine as daninhas, deixe o terreno sem cultivos durante todo o inverno e, na primavera, elimine as plantas que possam ter surgido e aplique adubo orgânico bem fermentado, por exemplo composto caseiro ou industrial. Com a forquilha, misture bem o terreno. Não é recomendável usar fertilizantes artificiais (a não ser específicos para espécies aromáticas) porque provocam desenvolvimentos fracos, pouco fragrantes e pouco resistentes a geadas.

- Multiplicação

A maioria destas espécies compartilha uma característica, a necessidade de renovação todos os anos para que não percam as benéficas qualidades ornamentais ou curativas. A estacaria, para este objetivo, é o procedimento ideal. Nas arbustivas (alecrim, salva, hissopo, lavanda ou tomilho), selecione estacas dos rebentos laterais entre finais do verão e início do outono, ou dos rebentos tenros na primavera e início do verão, se pretender desenvolvimento rápido.

Veja na página seguinte: Os cuidados a ter na fase da colheita

Comentários