Karma para que te quero

O karma é a “implacável” lei da causa e efeito, que significa que o que fazemos hoje terá reflexos no futuro

Que lado educativo pode ter o karma? Será como pôr hoje de castigo uma criança que fez uma asneira há um mês? A qual já nem se recorda.

Nos últimos tempos, a palavra karma tem-se vulgarizado para justificar alguns dos “obstáculos” e padrões difíceis de ultrapassar que tem vindo a encontrar na sua vida. É possível que o encare como uma espécie de castigo por algo que cometeu no passado, quiçá numa outra vida, mas que não tem qualquer memória.

Poderá já ter encontrado algumas informações dando-lhe conta que o karma é uma oportunidade de aprendizagem, mas até isso lhe pode parecer difícil de entender, pois há verdadeiros desafios que a vida lhe pode colocar. O que haverá a aprender com um chefe que o humilha diariamente? Ou mesmo com a dor da perda de alguém?

O karma é a “implacável” lei da causa e efeito, que significa que o que fazemos hoje terá reflexos no futuro, quer nesta quer numa encarnação futura. Por analogia, o que fizemos em vidas passadas reflete-se na vida presente e futura.

Antes de encarnar, é traçado um plano para alma, o qual é negociado pela mesma e pelos seus Mentores. A proposta é no sentido do regresso a esta maravilhosa escola que é o Planeta Terra, queimando o maior karma possível para a evolução da sua alma. Assim sendo, são escolhidos detalhadamente os pais, a informação genética adequada, a profissão, os desafios ao longo do caminho, até as próprias doenças e outros detalhes importantes. Tudo será acautelado para “saldar” o maior karma possível.

A libertação desse karma vai acontecer pela forma como a pessoa vai lidar com os desafios traçados. Contudo, a alma vem com padrões de vidas passadas, com comportamentos enraizados que a levaram a criar karma no passado, os quais ainda se vão manifestar nesta vida. Será através da mudança, do saber-fazer diferente de forma positiva, que o karma será queimado.

O que procura?

Comentários