Homossexuais estão mais propensos para fazer sexo não seguro, alerta estudo

Um estudo norte-americano sobre hábitos sexuais revela que os homens que têm sexo com homens têm hoje menor propensão para usar preservativo do que há 20 anos.

Gay Pride Parade em 2015 em Tel Aviv, Israel

créditos: EPA/ABIR SULTAN

O estudo liderado por Seth Kalichman da Universidade de Connecticut, nos Estados Unidos, baseou-se em sondagens anónimas durante o festival Gay Pride de Atlanta em 1997, 2005, 2006 e 2015. Durante as quatro edições do evento, foram questionados cerca de 1.800 homens, sendo que 81% a 97% deles eram brancos.

Os homens questionados em 2015 que garantiram não estar infetados com VIH/SIDA apresentavam maior propensão para ter sexo sem preservativo, em comparação com os indivíduos questionados no mesmo festival em edições de 1997 e 2006.

Em 1997, 43% dos homens saudáveis afirmaram ter tido sexo sem preservativo nos últimos seis meses. Em 2015, essa percentagem subiu para 61%.

O número de homens que afirmou ter tido sexo sem proteção com dois ou mais parceiros era de 9% em 1997. Em 2015 esse número aumentou para um terço dos entrevistados.

Relativamente aos homens que tinham sido infetados com VIH/SIDA ( entre 14% a 17% dos questionados), 25% dizia ter tido sexo sem usar preservativo em 1997, uma percentagem que subiu para 67% em 2015. Os homens que tinham tido sexo sem proteção com dois ou mais parceiros totalizavam 9% em 1997, tendo esse número subido para 52% em 2015.

Saiba mais: Os 16 sintomas mais comuns do VIH/Sida

Leia ainda: O sexo oral transmite Sida? 10 dúvidas frequentes

Veja ainda: As doenças sexualmente transmissíveis mais perigosas

Conheça esta históriaQuando era bebé, o pai injetou-lhe sangue com VIH

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários